Os caminhos e minhas próprias escolhas sempre me levaram a acreditar que o mais importante nessa vida é conhecer a si mesmo. E isso não é apenas sobre saber do que se gosta ou não, mas sobre conhecer seus limites, enfrentar seus demônios, ter amor e respeito por si, para então conseguir viver bem consigo. Acredito que as pessoas não precisam de dogmas ou deuses, regras ou pessoas dizendo como elas devem se comportar se elas têm ciência de onde estão seus limites, suas paixões.

Cada vez que uma pessoa deixa de viver conforme gostaria pra obedecer regras, viver uma vida que lhe foi imposta, deixa também de caminhar sobre suas próprias pernas e aprender com seus próprios erros, e assim fica pra sempre andando em círculos, sem usar seu senso-crítico, mas seguindo imposições vazias, vivendo e desperdiçando seu tempo com propósitos vazios.

Serei eternamente curiosa em relação ao sobrenatural, à existência de Deus, desconfiada das religiões, sem exceção, mas continuarei acreditando que com ou sem dogma a ser seguido, a missão individual de cada pessoa é tentar ser melhor para si mesma e para o mundo e não melhor do que o mundo…

“Não me importa onde estarão os monges e onde estarão as auto-estradas. Para mim, o importante é fazer o amor, e não a guerra, em todos os lugares do mundo.” John Lennon

"‘Tudo o que é sólido desmancha no ar!"

Tenho notado que penso sobre coisas aparentemente simples, e aí, quando resolvo falar sobre elas aqui no Poética de Penseé, e tenho que pesquisar um pouco mais a respeito delas, percebo que, ao contrário das minhas impressões anteriores, os temas são muito mais complexos do que eu havia suposto. Hoje esse tema é o self.

O self, é o “eu” pós-moderno, que consiste numa ideia de “indivíduo” multifacetado, que é um e ao mesmo tempo vários, onde a multiplicidade e a unidade individual não se excluem, mas se complementam. Essa ideia se contrapõe ao “eu” moderno ao qual estamos habituados: um indivíduo com características próprias e constantes, imóveis. O fato de estarmos intimamente ligados a esse modelo se deve ao fato de nossas relações se basearem  na dualidade e na negativização, com simples conceitos de correto/incorreto, feio/bonito, bom/mau, sendo que um sempre é a negativa do outro.

Na verdade, cansei de me limitar a ser uma coisa só! Por que não ser várias, ser uma e todas ao mesmo tempo? Parece complexo, mas é mais simples e me soa mais verdadeiro do que ter que restringir minha conduta, meus gostos, me decidindo por uma única realidade. Geralmente fazemos muito isso na adolescência, quando sentimos a necessidade de buscar ideais, pessoas, estilos musicais, tribos, com as quais nos identificamos e que eventualmente também nos representam. Escolhemos um único partido e excluímos da nossa agenda todos os demais programas que se diferenciam do mesmo. É assim que aprendemos sobre quem somos, aquilo que achamos bom ou ruim, nos agrada ou não; e passando dessa fase, nada mais justo do que abandonarmos essas limitações e experimentarmos aquilo que nos faça felizes, mesmo que teoricamente nos agrade duas coisas que se contradizem e se opõem totalmente. Mais contraditório do que gostar de dois extremos opostos, é viver numa sociedade que obriga as pessoas a serem versáteis e ter que basear suas escolhas na dualidade do sim ou não, a menos que se deseje ser chamado de hipócrita.

É um direito de todos mudar de opinião, ou de repente compreender e aceitar que não existe uma só verdade a ser ouvida  e respeitada. Me sinto absolutamente a vontade para ouvir rock e jazz numa mesma tarde, ter amigos com características opostas, namorar e mesmo assim ser livre, e não é por isso que deixo de ter a minha personalidade, mas somente acrescento todas essas contradições ao meu ser… Aliás, acredito que essa compreensão do self, e o aceitamento da multiplicidade presente na sociedade em que vivemos, pode contribuir para a maior valorização do respeito pela diversidade, seja ela de que âmbito for e para o crescimento intelectual das pessoas. Somente quando o homem entender que não existe o certo e o errado, nem verdades absolutas e imutáveis, é que vamos poder falar de nossa racionalidade tão bem quanto falamos de nossa suposta inteligência humana.

Caçador de mim – Milton Nascimento

Por tanto amor
Por tanta emoção
A vida me fez assim
Doce ou atroz
Manso ou feroz
Eu caçador de mim

Preso a canções
Entregue a paixões
Que nunca tiveram fim
Vou me encontrar
Longe do meu lugar
Eu, caçador de mim

Nada a temer senão o correr da luta
Nada a fazer senão esquecer o medo
Abrir o peito a força, numa procura
Fugir às armadilhas da mata escura

Longe se vai
Sonhando demais
Mas onde se chega assim
Vou descobrir
O que me faz sentir
Eu, caçador de mim

 

 

Ler para Ser: Desligue a televisão, saia da internet e vá ler um livro!

Eles começaram como tabuletas de argila ou pedra, posteriormente substituídas por cilindros de papiro e, depois, por pergaminhos. Meio de codificar leis, registrar dogmas e crenças religiosas, difundir costumes e informações, além servirem como documentos históricos, os livros são a maior invenção da humanidade. Imaginem o que seriamos sem os livros? Certamente nossa sociedade seria organizada de uma maneira totalmente  diferente, e provavelmente muito mais desorganizada também. Se antes os livros eram acessíveis apenas àqueles que constituíam a nobreza e as classes mais favorecidas, e logo, alfabetizadas, hoje, graças ao surgimento da imprensa e da tipografia na Idade Moderna, os livros deixaram de se restringir às minorias e garantiram sua importância. O desenvolvimento de todas essas tecnologias, mais do que documentar ou organizar a sociedade, possibilitou às pessoas o acesso ao aprendizado e à cultura, sem os quais estaríamos estagnados.

Gosto de uma citação de Monteiro Lobato que diz: “Um país se faz com homens e livros.”, e ainda acrescentaria dizendo que um país se faz com crianças e seus livros.Não é preciso muito raciocínio para notar que a leitura constitui um hábito que nós brasileiros não temos e não passamos para nossas crianças. A média de livros lidos pelos brasileiros por ano é de 4,7, segundo o Ibope, enquanto o europeu lê em média 8 livros por ano per capita. É mais fácil assistir à novela e ao analisar os problemas que nosso país enfrenta, percebemos o quanto esse desapego para com a educação e a formação intelectual dos nossos cidadãos é prejudicial.

Desde sempre os livros estiveram presentes no meu cotidiano, fosse em casa ou na escola. Sempre fui daquelas crianças que faziam birra no shopping pra “arrancar” livros dos pais ao invés de bonecas e percebo o quão bom isso foi para minha formação. Todo ano compro dezenas de livros que vou acumulando, lendo, emprestando, esquecendo, doando, perdendo as contas… Ler para aprender, ler para pensar, imaginar, rir, chorar, indignar-se, descobrir, mudar, trocar ou reforçar opiniões. Ler no ônibus, na fila do banco, no trânsito, antes de dormir, carregar um livro na bolsa e ler por pura distração esperando um amigo atrasado chegar ao local marcado, na sala de espera do dentista. Ler para ser cidadão! Quem não lê dificilmente consegue desenvolver um bom papo, ter opiniões embasadas, se colocar numa discussão, fazer uma boa crítica e ora, essas são ações muito básicas no cenário em que estamos inseridos. E fico indagando se ter um país com mais leitores, com pessoas mais conscientes e críticas não passa de uma grande utopia; questiono se algum dia a educação vai finalmente abandonar o patamar de “escada para o sucesso” e o status social e aí sim as pessoas irão estudar, ler livros, nem que sejam best-sellers que facilmente virariam uma novela global, não mais por obrigação.

Vou finalizar com um conto a carater, da Clarice Lispector:

 

FELICIDADE CLANDESTINA

Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio
arruivados. Tinha um busto enorme, enquanto nós todas ainda éramos
achatadas. Como se não bastasse, enchia os dois bolsos da blusa, por cima do
busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias
gostaria de ter: um pai dono de livraria.
Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário, em vez de
pelo menos um livrinho barato, ela nos entregava em mãos um cartão-postal
da loja do pai. Ainda por cima era de paisagem do Recife mesmo, onde
morávamos, com suas pontes mais do que vistas. Atrás escrevia com letra
bordadíssima palavras como "data natalícia” e “saudade” .
Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança,
chupando balas com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que
éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres.
Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de ler,
eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continuava a implorarlhe
emprestados os livros que ela não lia.
Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma
tortura chinesa. Como casualmente, informou-me que possuía As reinações de
Narizinho, de Monteiro Lobato.
Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com
ele, comendo-o, dormindo-o. E completamente acima de minhas posses.
Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o
emprestaria.
Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança da alegria: eu
não vivia, eu nadava devagar num mar suave, as ondas me levavam e me
traziam.
No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava
num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando
bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina,
e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas
em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a
andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife.
Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias
seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo me
esperava, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez.
Mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha do dono de
livraria era tranqüilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua
casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro
ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu
como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se
repetir com meu coração batendo.
E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que era tempo
indefinido, enquanto o fel não escorresse todo de seu corpo grosso. Eu já
começara a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho.
Mas, adivinhando mesmo, às vezes aceito: como se quem quer me fazer sofrer
esteja precisando danadamente que eu sofra.
Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às
vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de tarde, mas você só veio
de manhã, de modo que o emprestei a outra menina. E eu, que não era dada a
olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados.
Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e
silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a
aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a
nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco
elucidativas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar
entendendo. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e com
enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você
nem quis ler!
E o pior para essa mulher não era a descoberta do que acontecia. Devia
ser a descoberta horrorizada da filha que tinha. Ela nos espiava em silêncio: a
potência de perversidade de sua filha desconhecida e a menina loura em pé à
porta, exausta, ao vento das ruas de Recife. Foi então que, finalmente se
refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar o livro agora
mesmo. E para mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser."
Entendem? Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é
tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de querer.
Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro
na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando
como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com
as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar
em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração
pensativo.
Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para
depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas
maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo
comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o,
abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela
coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina
para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar... Havia
orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.
Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo,
sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.
Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu
amante.