#Resenha: Extraordinário: R.J. Palacio

Olá, pessoas!

Nesse feriado aproveitei para ler Extraordinário, da autora R.J. Palacio e simplesmente AMEI! O livro é um infanto-juvenil que foi lançado aqui no Brasil em 2013, pela Editora Intrínseca, e traz uma história cheia de emoção que vai deixar todo mundo com lágrimas nos olhos em vários momentos.

Todo o livro é escrito em primeira pessoa e alterna o narrador. Começamos com a narração de August Pullman, o Auggie, que é um garoto de 10 anos que vive nos EUA e mora com seus pais, sua irmã mais velha e sua cadelinha Daisy. Ele é o protagonista do livro, então todas as demais narrações são relacionadas a ele. Acontece que August nasceu com uma doença muito séria e seu rosto não é como os das pessoas comuns, seus olhos ficam quase nas bochechas, ele mal tem orelhas, seus lábios não conseguem sorrir como os das demais crianças e ele sente muita vergonha de sua aparência. Por conta de sua doença, Auggie nunca foi para a escola: ele passava por diversas cirurgias todos os anos, então sua mãe o ensinava em casa. Até que ao chegar no 5º ano do Ensino Fundamental e não precisar mais de tantos cuidados médicos, seus pais decidem que ele deve começar a frequentar uma escola regular. É óbvio que ele está apavorado com a ideia, mas acaba indo com a promessa de que poderá desistir caso não se adapte.

No decorrer do livro, temos a narração de outros 5 personagens da estória, porém o livro termina com a volta da narrativa de August. Esse recurso utilizado pela autora é importante para que possamos ver August do ponto de vista dos personagens que convivem com ele e entendermos que ele realmente possui um problema físico e o quanto a aparência dele afeta a vida de outras pessoas. A estória é escrita de maneira extraordinariamente cativante e consegue captar a pureza dos relacionamentos infantis, seja com amigos ou com os familiares, de maneira brilhante.

Eu me arrependo de não ter lido Extraordinário antes. É um livro que fala, principalmente, sobre valores: generosidade, amizade, amor. A narrativa, apesar de nos trazer um tema delicado, é recheada de bom humor, tornando a leitura extremamente leve.

#Resenha: Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática

GENTE! PELO AMOR DE GETÚLIO!¹

Hoje vim aqui falar com vocês sobre um livro muuuuito legal para ler depois de uma ressaca literária! É o último livro da Thalita Rebouças: Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática. Para quem não conhece a Thalita Rebouças, ela é uma escritora brasileira, talvez mais aclamada da atualidade entre os teens, e ficou conhecida pelos livros da série Fala Sério!. Resolvi dar uma chance para ela com esse título e amei o livro.

Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática é um livro infanto juvenil muito engraçado, a começar pelo nome,  cheio de gírias da geração Y, com uma linguagem fácil e uma escrita que prende. É também uma ótima sugestão de presente para dar para adolescentes dos 12 anos em diante e começar a incentivar a leitura. Como pontos negativos, no entanto, o livro traz alguns personagens um tanto caricatos, que não convencem tanto, como o personagem Zeca, melhor amigo da protagonista que usa muito jargões gays.

Páginas: 253 páginas / Editora: Editora Arqueiro Clique na imagem para ler o primeiro capítulo do livro no site da Amazon.

O livro é o diário de uma adolescente de quinze anos, a Tetê – o nome por traz desse apelido vai te arrancar muitas risadas! – que vai morar em um apartamento no Rio de Janeiro com seus pais, seus avós maternos e seu bisavô, depois que seu pai fica desempregado. Vivendo apenas com o salário de sua mãe, a família precisa vender o apartamento na Barra da Tijuca até que a situação financeira se estabilize. O problema é que, além de Tetê precisar dividir o quarto com seu bisavô no novo apartamento, ela é muito tímida e está morrendo de medo de não fazer amigos na escola na nova e sofrer bullying novamente. Sua mãe, inclusive, agenda uma consulta com um psiquiatra para ela, pois acredita que a filha não é normal: não tem amigos, não sai, não arruma namorado. A única coisa da qual Tetê gosta é de cozinhar, o que a faz ficar acima do peso! Porém, após o primeiro dia de aula na escola nova, algumas coisas começam a mudar na vida de Tetê e a gente acompanha tudo de camarote!

¹ Expressão usada pelo Zeca, personagem do livro.