#Resenha: Apenas um garoto – Bill Konigsberg

Oi, gente!!

A resenha de hoje é de um livro que eu amei, mas amei tanto que me deixou com uma ressaca literária daquelas! Fiquei tão triste por ter acabado de ler e simplesmente passei dois dias pensando nos personagens, não conseguia ler nada que chegasse aos pés desse livro! Apenas um garoto, do autor Bill Konigsberg, é mais um romance de temática gay que falo aqui no blog e que foi simplesmente incrível.

O livro conta a história do Seamus Rafael, o Rafe, um garoto que vive no Colorado e é filho de pais hippies veganos que apoiam absolutamente sua orientação sexual, assumida aos 13 anos de idade. A aceitação dos pais, que para muitos homossexuais seria uma solução, para Rafe é quase um problema: seus pais organizam uma festa surpresa para revelar para toda a família que Rafe é gay, sua mãe se torna presidente de uma associação de apoio a homossexuais de sua cidade, sua melhor amiga, Claire Olivia, acha incrível o fato de ele ser gay. Não se fala outra coisa a respeito dele que não seja sua orientação sexual e Rafe não aguenta mais ser rotulado como O GAY. Esse é um ponto muito importante para nossa reflexão, pois super valorizamos a orientação sexual das pessoas, como se isso fosse tudo que temos para dizer a respeito delas, quando, na realidade, essa é apenas mais uma característica. Então, para colocar um fim nessa história de rótulos, Rafe toma a decisão de se matricular em um colégio interno só para meninos no Sul no país - região conhecida por ser extremamente conservadora - e não contar para ninguém que é gay.

No novo colégio, Rafe descobre coisas a respeito de si que ele não fazia a mínima ideia - o rótulo de gay o impedia, muitas vezes, de fazer coisas consideras de hétero, como praticar esportes e ser amigo de outros homens sem que isso gerasse desconforto. No entanto, apesar de Rafe ter toda a razão ao afirmar que ser conhecido como o garoto gay o tempo inteiro enche o saco, ele acaba se metendo em um problema e tanto ao se apaixonar. Mas até que ponto negar uma parte tão importante de si é possível? Omitir a sua sexualidade é mentir? Todas essas questões são respondidas de uma maneira brilhante no livro, que inclusive, já teve sua continuação lançada nos EUA. A continuação ainda não foi traduzida, mas eu pretendo ler mesmo assim quando abaixar o preço do ebook na Amazon!

Por favor, leiam esse livro! O autor foi fenomenal ao abordar esse assunto, sempre deixando claro que Rafe sabe que é um privilegiado por seus pais serem tão compreensivos em relação a sua sexualidade, mas que, mesmo assim, o estigma gay ainda pode ser um fardo difícil de ser carregado. Apenas um garoto tem a dose certa de problematização, romance e humor!

#Resenha: Simon vs. A Agenda Homo Sapiens

Olá pessoas!

Hoje vim aqui falar sobre um livro que gostei muito: Simon vs. A Agenda Homo Sapiens, da escritora estadunidense Becky Albertalli. Esse livro foi muito legal principalmente por abordar um assunto que não encontramos com frequência nos livros: a homossexualidade.

O livro irá contar a história de Simon, um garoto de 16 anos que ainda está no armário. Seus pais são bastante modernos, mas ele ainda não se sente preparado para assumir sua orientação sexual. Simon tem um e-mail secreto para esconder sua identidade e vem trocando mensagens com um garoto que se apresenta como Blue. O misterioso Blue, que Simon não faz a mínima ideia de quem possa ser, mas que toma um papel cada vez mais importante em sua vida. Porém, aparece Martin, um cara babaca da escola que descobre os e-mails secretos entre Simon e Blue, e passa a chantageá-lo para não contar para toda a escola que Simon é gay. Essa combinação clichê entre segredo, romance e chantagem é o que torna esse livro tão envolvente, além claro, do romance entre dois garotos que, por ser uma novidade na literatura, proporciona à escritora utilizar um clichê sem que isso se torne um problema. O livro é narrado por Simon e contém todos os emails que são trocados entre ele e Blue - emails muito fofos, por sinal!

Como é de se esperar de um romance de temática gay, o livro levanta indiretamente algumas discussões com o leitor, como por exemplo, a gravidade de tirar alguém do armário à força, o preconceito com homossexuais e outras questões que não posso falar para não levantar spoilers. Simon vs. A Agenda Homo Sapiens é um livro leve, divertido, cativante e que tão bom que vai virar filme!

As gravações já começaram e o filme ainda não tem data prevista de lançamento. Entre os atores escolhidos, teremos Jennifer Garner e Josh Duhamel como os pais de Simon, e Katherine Langford, a  Hannah Baker, de 13 Reasons Why, como Leah Burke, melhor amiga de Simon e Nick Robinson, que foi protagonista de Jurassic World, como Simon Spier:

E vocês, já leram o livro? O que acharam? Conhecem livros do gênero que recomendam?

Deixem sua opinião nos comentários!

#Resenha: Amor Amargo – Jennifer Brown

Jennifer Brown é uma escritora estadunidense, formada em psicologia e especialista em psicologia da mulher, que fez bastante sucesso aqui no Brasil – e em outros cantos do mundo, é claro – com o livro A Lista Negra,  história sobre uma garota, a Valerie Leftman, que sofre bullying no colégio e tem sua vida posta de cabeça para baixo quando seu namorado decide ir armado para a escola e mata várias pessoas. Em Amor Amargo, Jennifer Brown também aborda um tema superdelicado: relacionamentos abusivos. O livro é um New Adult recheado de drama.

Alex, a protagonista, é uma garota órfã de mãe que está no último ano do ensino médio e planeja uma viagem para o Colorado com seus dois melhores amigos. A viagem é muito importante pois Alex sente que precisa ir até o Colorado e descobrir porque o local era tão espacial para sua mãe, que morreu tragicamente quando ia para lá. No entanto, quando a coisa mais importante de sua vida era a tal viagem, ela conhece Cole, um garoto lindo, esportista e aparentemente incrível, que irá conquistar totalmente seu coração. E coisas surpreendentes irão acontecer.

Ao abordar o tema dos relacionamentos abusivos, o livro acaba com tudo o que pensamos a respeito do assunto. É muito comum dizermos que nunca passaríamos por um relacionamento destrutivo porque “se fosse comigo, eu daria um basta no primeiro tapa”, “se a mulher permanece no relacionamento após a primeira agressão é porque gosta”. E ao ler esse livro, esse pensamento simplesmente some da nossa cabeça. Percebemos que aquela situação poderia acontecer com qualquer pessoa, inclusive com nós.

A autora tem um jeito especial de escrever: sabemos que a história não irá terminar bem, e mesmo assim lemos até o fim para ver o desenrolar dos fatos. Não é um livro surpreendente e, no caso específico desse livro, esse não é um ponto negativo. É como se estivéssemos acompanhando de fora uma história que sabemos como termina, apenas querendo entender os porquês.  O livro vai ficando cada vez mais emocionante e você não consegue desgrudar os olhos das páginas. Amor Amargo vai te levar ao limite das suas emoções!

No final do livro há um anexo no qual a autora conta sobre seu processo de escrita e a respeito da pesquisa que fez sobre os relacionamentos abusivos. Será que você sabe como identificar quais os tipos de relacionamentos abusivos e os sinais de que você ou alguém próximo está passando por essa situação? Veja o infográfico abaixo:

 

Dica de Livro do Dia #10 – Convite à Filosofia, de Marilena Chauí

A dica de hoje é um livro de uma das grandes filosofas e historiadoras do Brasil, Marilena Chauí. Durante todo o meu Ens. Médio senti que os professores de Filosofia pecavam em muitos aspectos, levando a maioria dos alunos ao desinteresse pela matéria. Apesar de fazer parte daquilo que as pessoas consideram pouco importante, acredito que a Filosofia tem um papel muito importante na formação das pessoas e é por isso que recomendo muito esse livro. Estou na metade e não consigo parar de grifar frases e anotar algumas definições.

Marilena Chauí, além de escritora, é professora da FFLCH – USP, escreveu diversos outros títulos e recebeu, em 1994, o Prêmio Jabuti por ‘Convite à Filosofia’. É apenas mais um prêmio dentre tantos.

Sinopse: Um exercício do pensamento, que fomenta a reflexão crítica e lança um facho de luz sobre questões do dia-a-dia, realçando seu caráter histórico e ampliando os horizontes do leitor – eis o alcance deste livro. Convite à Filosofia é uma obra que utiliza o próprio instrumental filosófico para atualizar conceitos e fazer uma releitura dialética do mundo por uma das mais consistentes intelectuais do país. De suas páginas emergem os grandes temas da discussão filosófica, como Razão, Verdade, Conhecimento, Ciência, Ética, Política, Arte, Técnica, Religião, Metafísica, História, Lógica. 

Dica de Livro do Dia #8 – Um Dia, de David Nicholls

Esse livro foi recentemente adicionado à minha lista de desejos! Assisti ao filme e chorei MUITO, e como muitos que passam por aqui já sabem, adoro um drama para chorar! “Um dia – 20 anos, duas pessoas, um dia”, que eu prefiro chamar de “One Day” por que é menos estranho,  é simplesmente lindo!

Sinopse: Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas – vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=3C1dSEK27L0]