Dica de Livro do Dia #7 – Misto-Quente, Charles Bukowski

Um livro de Bukowski sempre deixa sua marca. É o que eu diria sobre Misto Quente. Recomendo esse livro para aqueles que gostam de uma literatura fora dos padrões românticos e ideais dos best-sellers americanos. A literatura de Bukowski é visceral, pesada, punk! Considerada um poeta maldito, Bukowski é escatológico, anti-literário, vulgar, politicamente incorreto, alcoolatra e dramático. Misto Quente conta a história de Henry Chinaski, um personagem inspirado na vida do próprio autor, que vive nos EUA na recessão após a crise de 1929. O livro tem a intenção de mostrar a humanidade como ela realmente o é: sem sentido, egoísta, discriminatória e hipócrita. Vale a pena ler se você tiver estômago. Eu gosto!

Sinopse: O que pode ser pior do que crescer nos Estados Unidos da recessão pós-1929? Ser pobre, de origem alemã, ter muitas espinhas, um pai autoritário beirando a psicopatia, uma mãe passiva e ignorante, nenhuma namorada e, pela frente, apenas a perspectiva de servir de mão-de-obra barata em um mundo cada vez menos propício às pessoas sensíveis e problemáticas. Esta é a história de Henry Chinaski, o protagonista deste romance que é sem dúvida uma das obras mais comoventes e mais lidas de Charles Bukowski (1920-1994). Verdadeiro romance de formação com toques autobiográficos, Misto-quente (publicado originalmente em 1982) cativa o leitor pela sinceridade e aparente simplicidade com que a história é contada. Estão presentes a ânsia pela dignidade, a busca vã pela verdade e pela liberdade, trabalhadas de tal forma que fazem deste livro um dos melhores romances norte-americanos da segunda metade do século 20. Apesar de ser o quarto romance dos seis que o autor escreveu e de ter sido lançado quando ele já contava mais de sessenta anos, Misto-quente ilumina toda a obra de Bukowski. Pode-se dizer: quem não leu Misto-quente, não leu Bukowski.

Written by

Blogueira desde 2011, escreve sobre dores, amores e livros. Paulistana e mãe de 3 gatos deseja compartilhar suas paixões nesse blog.

Deixe uma resposta