Grécia, a origem da cultura ocidental

A Grécia Antiga, sem dúvida alguma, é uma das civilizações mais ricas e a que mais contribuiu para a constituição do mundo ocidental como ele é hoje. Se temos Estados democráticos, periodicamente disputamos as Olimpíadas, temos um vasto acervo de conteúdos de matemática, filosofia, artes, teatro, arquitetura, devemos isso aos gregos antigos. Além disso, a mitologia grega é um dos tópicos mais encantadores desse período, nos mostrando elementos importantes da cultura local da época, e nos prendendo a atenção com histórias de diversos deuses, heróis e divindades. É uma pena termos tão pouco espaço em sala de aula para tratar de um assunto tão vasto e interessante quanto esse, por isso, decidi vir aqui e postar mais um documentário incrível, dessa vez chamado Construindo um Império: Grécia, criado pela History Channel.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=WzevZqG83HM&feature=related]

As Múmias do Egito Antigo

Há algo mais curioso e encantador do que o Egito e suas múmias quando o assunto é história? Hoje eu trago aqui um documentário que fez parte da Semana da Múmia do canal Discovery Channel, mostrando o processo de estudo pelo qual as múmias passavam e revelando dados muito curiosos sobre a cultura egípcia.

No Egito Antigo, acreditava-se na existência de vida após a morte e também que os corpos seriam úteis, por isso o ritual de mumificação, que servia para a preservação dos corpos.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=xfIGsfPyCIE&feature=related]

As demais partes do documentário podem ser vistas com continuação no Youtube! That’s all, folks!

O Preconceito Linguístico: um meio de exclusão social

Existem inúmeras formas de preconceito, mas um dos talvez mais praticados e menos discutidos é o preconceito linguístico. Segundo Marcos Bagno, autor do livro “Preconceito Linguístico – o que é, como se faz.”, esse tipo de preconceito nasce da ideia de que há uma única língua portuguesa correta, que é  a ensinada nas escolas, está presente nos livros e dicionários e baseia-se na gramática normativa. Apesar de ser muito importante a existência de uma norma que regulamente a escrita, a torne homogênea e defina suas regras, a mesma acaba servindo como instrumento de exclusão social, já que ao não reconhecer a língua como uma unidade viva e mutável, ela passa a ser utilizada como meio de distinção social daqueles que têm acesso a educação, e consequentemente, mais poder aquisitivo, e daqueles que não têm. Além disso, acaba gerando também o preconceito com determinadas construções linguísticas que variam de acordo com as regiões do país.

Como no Brasil a educação não é de fácil acesso a todas as pessoas, apenas uma parcela da população (aquela que tem uma melhor condição econômica) tem acesso ao estudo da língua “correta”, enquanto a outra é considerada “sem língua”, já que a língua-padrão não engloba as variações, gírias, que representam o modo como essas pessoas falam. É importante perceber que a língua que falamos não é a mesma que escrevemos, portanto ninguém fala errado, já que e a escrita não é apenas uma forma de transcrever o que dizemos em forma de símbolos e a sua função é garantir a comunicação efetiva, ou seja, se esse fim se cumpre, a comunicação e a língua utilizadas estão “corretos”.

O preconceito linguístico revela um preconceito maior que é com nordestinos e pessoas de outras regiões com baixo status, e financeiramente carentes, que migram para São Paulo e outras regiões mais desenvolvidas do país, em busca de melhores condições de vida, e assim acabam fazendo todo o trabalho sujo necessário e garantindo o sustento da classe média e alta do país. São pessoas como nós, e dependemos do esforço delas para garantirmos nosso arroz, feijão, nosso açúcar, a limpeza das ruas por onde passamos, mas as tratamos como cidadãos de terceira categoria, enquanto metade da nossa população ainda não tem acesso a bens que deveriam ser comuns. ““É um verdadeiro acinte aos direitos humanos, por exemplo, o modo como a fala nordestina é retratada nas novelas de televisão, principalmente da Rede Globo. Todo personagem de origem nordestina é, sem exceção, um tipo grotesco, rústico, atrasado, criado para provocar o riso, o escárnio e o deboche dos demais personagens e do espectador. No plano lingüístico, atores não-nordestinos expressam-se num arremedo de língua que não é falada em lugar nenhum no Brasil, muito menos no Nordeste. Costumo dizer que aquela deve ser a língua do Nordeste de Marte! Mas nós sabemos muito bem que essa atitude representa uma forma de marginalização e exclusão.” (BAGNO, p. 44)

Para ilustrar isso, eu gostaria de apresentar a vocês uma música, do Teatro Mágico, chamada Zaluzejo:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=PWykmQ1oe90]

O Teatro Mágico – Zaluzejo 

Ah eu tenho fé em Deus… né?
Tudo que eu peço ele me ouci… né?
Ai quando eu to com algum pobrema eu digo:
Meu Deus! me ajuda que eu to com esse problema!
Ai eu peço muito a Deus… ai eu fecho meus olhos… né?
eu Deus me ouci na hora que eu peço pra ele, né?
Eu desejo ir embora um dia pra Recife
não vou porque tenho medo de avião, de torro…de torroristo
ai eu tenho medo né?
Corra tudo bem… se Deus quiser… se deus quiser…”

Pigilógico, tauba, cera lítica, sucritcho,
graxite, vrido, zaluzejo
“eu sou uma pessoa muito divertida”

Pigilógico, tauba, cera lítica, sucritcho,
graxite, vrido, zaluzejo
“não sei falar direito”

Pigilógico, tauba, cera lítica, sucritcho,
graxite, vrido, zaluzejo
“não sei falar”

Tomar banho depois que passar roupa mata
Olhar no espelho depois que almoça entorta a boca
E o rádio diz que vai cair avião do céu
Senhora descasada namorando firme pra poder casar de véu

Pigilógico, tauba, cera lítica, sucritcho,
graxite, vrido, zaluzejo
“não sei falar”

Quando for fazer compras no Gadefour:
Omovedor ajactu, sucritcho, leite dilatado, leite intregal,
Pra chegar na bioténica, rua de parelepídico
Pra ligar da doroviária, telefone cedular

Pigilógico, tauba, cera lítica, sucritcho,
graxite, vrido, zaluzejo
“não sei falar”

Quando fizer calor e quiser ir pra praia de Cararatatuba,
cuidado com o carejangrejo
Tem que ta esbeldi, não pode comer pitz, pra tirar mal hálito
toma água do chuveiro
No salão de noite, tem coisa que não sei
Mulé com mulé é lésba e homi com homi é gay
Mas dizem que quem beija os dois é bixcional…
só não pode falar nada,
quando é baile de carnaval

Pra não ficar prenha e ficar passando mal, copo d’água
e pílula de ontemproccional
Homem gosta de mulher que tem fogo o dia inteiro,
cheiro no cangote, creme rinsa no cabelo
Pra segurar namorado morrendo de amor
escreve o nome num pepino e guarda no refrigelador,
na novela das otcho, Torre de papel,
Menina que não é virge, eu vejo casar de véu

Se você se assustar e tiver chilique,cuidado pra não morrer
de palaladi cadique
Tenho medo da geladeira, onde a gente guarda yogute,
porque no frio da tomada se cair água pode dá cicrutche
To comprando um apartamento e o negócio ta quase no fim
O que na verdade preocupa é o preço do condostim
O sinico lá do prédio, certa vez outro dia me disse:
Que o mundo vai se acaba no ano 2000 é o que diz o acalipse

Tenho medo de tudo que vejo e aparece na televisão
Os preju do Carajundu fugiram em buraco cavado no chão
Torrorista, assassino e bandido, gente que já trouxe muita dor
O que na verdade preocupa é a fuga do seucrostador
Seucrosta quem não tem dinheiro, quem não tem emprego
e não tem condução
Documento eu levo na proxeca porque é perigoso carregar na mão

Mas quando alguém te disser ta errado ou errada
Que não vai S na cebola e não vai S em feliz
Que o X pode ter som de Z e o CH pode ter som de X
Acredito que errado é aquele que fala correto e não vive o que diz

“E eu sou uma pessoa muito divertida…
eles não inventavam nada… eu gostava de inventar as coisa
não sei falar direito…
inventar uma piada, inventar uma palavra, inventa uma brincadeira…
não sei falar
me da um golinho… me da um golinho…”

E com muito prazer que eu convido agora todos aqueles
que estão ouvindo esta canção
Para entoar em uníssono o cântico: Omovedor, Carejangrejo
Vamos aquecer a nossa voz cantando assim:
Iô,iô,iô. Iô,iô,iô,iô, eu digo:
Omovedor, Carejangrejo, Omovedor, carejangrejo… Omovedor!
“omovedor… carejangrejo… só isso que eu tenho pra falar falar!”